Rua Caldas da Rainha, 806 Bairro São Francisco BH/MG CEP 31.255-180 (31) 3273-2486

Conheça os tipos de cabeamento UTP e suas aplicações!

cabeamento UTP
21

Jul 2019

Por:Via Networks
cabeamento estruturado

O cabeamento UTP (Unshielded Twisted Pair) é um dos tipos mais adotados em redes de computadores com fios. Também conhecido como Par Trançado não Blindado, é fruto de pesquisas realizadas pela Electrical Industrial American (EIA) e Telecommunications Industries American (TIA), que buscavam uma infraestrutura de cabos eficientes para redes. Esses cabos foram padronizados pela norma EIA/TIA 568.

Neste artigo, você vai conhecer melhor sobre as especificações desse cabeamento e quais as suas principais aplicações.

Aplicações

O cabeamento UTP foi inicialmente projetado para transmitir dados de voz. No entanto, com o tempo, diversos avanços permitiram que ele se tornasse a solução ideal para estações de trabalho, não somente em telefones, mas também para sistemas computacionais.

Eles possuem uma característica muito vantajosa: são resistentes ao crosstalk (interferência eletromagnética que ocorre em uma parte de cabos trançados (twisted pair), geralmente paralelos. Por isso, eles são muito recomendados para serem usados no lugar de cabos de par não trançados em instalações multilinha.

Categorias de cabeamento UTP

Os cabos UTP foram padronizados pelas diretrizes da EIA/TIA com a norma 568 e são divididos em cinco categorias, conforme o nível de segurança e a bitola do fio — quanto maior o número, menor o diâmetro. Veja também os tipos de revestimento especiais que podem garantir maior segurança em situações de incêndio.

Categoria 1

Esses são cabos telefônicos mais básicos, orientados para equipamentos de telecomunicação e não devem ser usados para redes locais.

Categoria 2

Apresenta uma taxa de transferência um pouco maior do que o primeiro, aplicado para LocalTalk.

Categoria 3

É usado para transmissão de até 16 MHz. Suporta conexões de dados a 10 Mbps (Ethernet).

Categoria 4

A transmissão aqui se limita de até 20 MHz. Dados a 20 Mbps (16 Mbps Token Ring).

Categoria 5

São 4 pares de fios que trabalham em uma frequência de até 100 MHz com conexões mais ágeis de até 100 Mbps. Geralmente, as redes padrão Ethernet utilizam somente o cabeamento UTP CAT5.

Os cabos CAT5e é uma versão melhorada do CAT5, otimizando suas especificações do far end crosstalk.

Categoria 6

São indicadas para redes gigabit Ethernet com especificações mais rigorosas contra ruídos do sistema. Ele apresenta um desempenho de até 250 MHz. A versão CAT6a opera em frequências ainda superiores 500 MHz, a uma velocidade de até 10 Gbps, com uma distância máxima de 100 metros.

Categoria 7

Os cabos de categoria 7 são para instalações ainda mais exigentes. Permitem frequências de até 600 MHz, e apresenta blindagem para cada par de fios e no cabo como um todo.

Tipos de revestimento

Os Cabos com Baixa Emissão de Fumaça e Sem Halogênios (LSZH — Low Smoke Zero Halogen) contam com uma cobertura especial no isolamento e na capa. Em casos de incêndios, eles liberam fumaça não tóxica, livres de halogênios (elementos químicos que, quando em combustão, emitem gases extremamente danosos à saúde. Os prejuízos as construções são reversíveis, mas os danos às pessoas muitas vezes não.

Os cabos LSZH (metálicos, ópticos ou coaxiais) são recomendados para espaços ou caminhos verticais ou horizontais com ou sem fluxo de ar forçado onde haja a circulação ou concentração de pessoas. Isso inclui hospitais, aeroportos e shoppings, por exemplo.

Especificação do cabeamento UTP

A instalação de cabos UTPs precisa seguir a Norma Brasileira e Internacional. Para cada tipo de aplicação cabos com capa CMR e LSZH, serão recomendados tipos específicos:

  • CMX: indicados para instalações residenciais com uma concentração menor de cabos e sem um fluxo de ar forçado. A exposição do cabo não deve ultrapassar 3 m;
  • CM: instalações horizontais com grande ocupação e sem fluxo de ar forçado;
  • CMR (riser): instalações verticais em “shafts” prediais. Também para instalações em prédio com mais de um andar, sem fluxo de ar forçado;
  • CMP (plenum): em locais fechados, aplicação horizontal, com ou sem fluxo de ar forçado, locais confinados ou dutos de ar condicionado, por exemplo;
  • LSZH: aplicações tanto horizontais quanto verticais, com ambientes que possuem grande circulação e concentração de pessoas;
  • MAX Green LSZH: também para locais com grande circulação e contração de pessoas, como teatros, cinemas, restaurantes e rodoviárias. O foco é a sustentabilidade.

Gostou de saber mais sobre as especificações e aplicações do cabeamento UTP? Então, continue acompanhando nosso blog e fique por dentro de mais dicas!

Ainda não recebemos comentários. Seja o primeiro a deixar sua opinião.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rua Caldas da Rainha, 806 Bairro São Francisco BH/MG CEP 31.255-180

(31) 3273-2486

contato@via.eng.br